Reflexões de um cristão calvinista a respeito de quase tudo, principalmente assuntos religiosos, linguísticos e filosóficos, com o pressuposto de que a verdade existe, como norteadora da existência e dos sentidos, a qual deve ser buscada e compreendida.

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Vivendo no mundo de Deus

A igreja romana medieval criou a separação entre o sagrado e o profano. Esta divisão causou uma falsa idéia do modo de viver do crente no mundo. Ela tirou do cristão a noção legítima de que existem muitas coisas no mundo que são boas e que podem ser usufruídas pelo crente. Deste modo, nossa cultura procura romper com tudo o que não parece sagrado e tende a classificar como tendência anti-Deus tudo o que não professa um vocabulário “evangélico”. Entretanto, a Bíblia não separa Deus de sua criação e de seu mundo (Is 40.12-31). Ela afirma que Deus é o senhor da História e de todas as coisas criadas. Não há nada no mundo que não seja do conhecimento e da ordenação de Deus, porque é ele quem dirige todas as intenções e deliberações humanas. Portanto, o mundo é o campo de todos os cristãos (Jo 17.1-26). É nele que devemos pregar a verdade de Deus e vivermos de modo santo. Nossa influência deve se manifestar nos diversos campos, como a política, a arte, a educação, a saúde etc, a fim de que as pessoas vejam nossas boas obras, nosso padrão de obediência, e, então, glorifiquem a Deus que está nos céus (Mt 5.14-16). Nosso Senhor Jesus não nos chamou para a reclusão, mas para a propagação. Deus não quer que escondamos dos outros ou que ignoremos o fato de que as pessoas nos vêem. Ele deseja que nossa presença seja marcante e estimuladora de adoração a ele (Fp 1.27-30).

2 comentários:

vrocha disse...

Caro Wendell,
O meu desejo é que todos os nossos irmãos queridos tenham esta mesma visão, porque é assim que, nós como filhos de Deus, devemos viver neste mundo.
Abs,
VRocha

Wendell Lessa disse...

Querido Valmir.

Muito obrigado por seu comentário.

Abração!
Wendell.